Política

“A Aneel não pode ser maior que todos nós”, afirma Altair Silva

O deputado estadual Altair Silva (Progressistas) apresentou na ALESC uma moção de repúdio à proposta de alteração da resolução normativa 482/2012, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Entre as alterações propostas incluem a cobrança pelo uso da rede elétrica e a suspensão gradual de subsídios. “É um grande retrocesso. Isso vai desestimular investimentos em energias renováveis. Enquanto o mundo corre a favor da sustentabilidade, o Brasil através da Aneel coloca uma barreira querendo mudar o sistema”, comentou Altair.

As regras que tratam da geração distribuída (GD), como é o caso da energia solar e da energia proveniente do biogás, estão previstas na Resolução 482, editada em 2012 e revista em 2015, mas podem ser alteradas, segundo a proposta da agência. Essa modalidade, permite que consumidores gerem a própria energia elétrica em suas residências, empresas ou propriedades rurais. Hoje, com a instalação de placas solares em seus telhados ou de biodigestores nas propriedades rurais, os consumidores entregam a energia excedente ao sistema elétrico pelas redes das distribuidoras e recebem a energia de outras fontes de geração do sistema. O excedente produzido fica como crédito e pode ser usado para o abatimento de uma ou mais contas de energia do mesmo titular.

“A proposta da Aneel é um desserviço à sociedade, principalmente por desconsiderar algumas fontes de energia como o biogás, tão abundante no Estado, e a solar, que já vem dando certo”, cobrou o parlamentar.

Os resultados

Desde a regulamentação da resolução 482/2012 pela Aneel, foram implantadas mais de 120 mil unidades consumidoras com micro ou minigeração, mas isso representa apenas 1% da matriz energética, sendo 95% desse total solar e 1,2% proveniente do biogás. Quando comparado com todas as fontes de energia, no caso da energia solar, beneficia 0,2% dos 84 milhões de consumidores brasileiros, e no caso do biogás é ainda menor, 0,010%. “Quando olhamos para o Oeste Catarinense, com o grande potencial de produção de suínos, vemos uma oportunidade de crescimento dessa fonte de energia renovável”, frisou Altair.

O biogás na suinocultura tem se apresentado como um fator de desenvolvimento para o produtor, potencializando a produção e aquecendo a economia. São mais de 13 mil produtores no Estado, que tem no biogás uma fonte de energia alternativa para a propriedade, um incremento na renda e ainda a solução de um grande problema, que são os resíduos da produção. “São somente pontos positivos. Somos o quarto maior produtor de suínos do mundo, maior exportador da carne e representamos 26% da produção nacional com mais de 12,5 milhões de cabeças abatidas por ano, o nosso potencial de produção pode ser muito grande, mas dessa forma, se tornará inviável”, lamentou Altair.

Segundo estimativas de especialistas ligados à área, o custo de operação da planta de energia ficará mais caro, superior a R$0,10/kWh (dez centavos de real por quilowatt-hora), e grande parte das propriedades de agricultores familiares não terão demanda de consumo para o potencial de produção. “Mesmo adotando uma alternativa de cobrança menos impactante, todos os projetos de biogás do meio rural, sem exceção, serão inviabilizados, reduzindo os benefícios sociais ambientais e econômicos da agroindústria.”, frisou Altair.

A moção

O documento foi enviado ao Presidente da República, Jair Bolsonaro, ao Presidente do Congresso Nacional, David Alcolumbre, ao Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, ao Diretor-Geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Donizete Rufino, e aos membros do Fórum Parlamentar Catarinense.

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios