DestaquePolícia

DESVIOS DE RECURSOS: MP denuncia Piffero e mais três ex-dirigentes do Inter

O Ministério Público Estadual anuncia, na manhã desta quarta-feira (6), em entrevista coletiva na sede do órgão, em Porto Alegre, a formalização da denúncia criminal contra 14 pessoas, entre ex-dirigentes, profissionais liberais e empresários de jogadores de futebol pelas supostas fraudes que ocorreram no Inter na gestão 2015/2016. A investigação apontou desvios superiores a R$ 13 milhões. A peça do MP irá tramitar na 17ª Vara Criminal de Porto Alegre. Entre os crimes apontados pela investigação estão estelionato, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Entre os denunciados pelo MP, estão o ex-presidente Vitorio Piffero e os ex-vice-presidentes Pedro Affatato (Finanças), Emídio Marques Ferreira (Patrimônio) e Carlos Pellegrini (Futebol). Um dos elementos que basearam a denúncia contra Piffero é a tese do domínio do fato: o MP concluiu que desvios de recursos não poderiam ter ocorrido de diferentes setores do clube — desde obras fictícias para justificar adiantamentos na boca do caixa até comissões supostamente ilícitas em transações de jogadores — sem o conhecimento e consentimento do presidente.

Cerca de R$ 10 milhões teriam sido desviados em benefício de Affatato, por meio de apresentação de notas fiscais com serviços fictícios para justificar saques de dinheiro do clube. Empresas da família do ex-vice de finanças teriam sido usadas para lavagem de dinheiro, fato que levou dois de seus irmãos a serem denunciados também — Arturo e Paola.

(Piffero) Foi denunciado por organização criminosa e a prática de 200 estelionatos, como co-autor. Ele foi considerado como co-autor de tudo que aconteceu. O regime era presidencialista no clube, as decisões eram tomadas por ele. Ele era um presidente participativo. Nestes termos, considerou-se a participação dele como decisiva nos crimes que foram imputados”, explicou, na coletiva, o promotor Flávio Duarte.

 

Segundo o MP, Emídio Ferreira teria recebido R$ 53,4 mil em sua conta pessoal e de uma empresa de sua propriedade, a Pavitec do Brasil Pavimentadora Técnica Ltda.

Carlos Pellegrini, ex-vice de futebol, teria obtido mais de R$ 230 mil em comissões para concretizar negociações de jogadores como Paulo Cézar Magalhães, Cláudio Winck, Alisson, Ariel e Réver.

A primeira denúncia será repartida em duas: uma do núcleo “finanças e patrimônio” e outra do “futebol”. Neste primeiro momento, os ex-vice-presidentes Alexandre Limeira (Administração) e Marcelo Castro (Jurídico) não deverão ser denunciados. A investigação a respeito deles seguirá em andamento.

O Procedimento Investigatório Criminal (PIC) que apura possíveis delitos na gestão do Inter foi iniciado em novembro de 2017. Em 20 de dezembro de 2018, o MP fez busca e apreensão nos endereços residenciais e profissionais dos suspeitos. Agora, dois anos após a largada das investigações, ocorre a primeira denúncia.

A maioria das notas fiscais apresentadas por Affatato para dar baixa nos valores que ele retirava em adiantamentos do Inter era da Keoma Construção, Incorporação e Planejamento. Esta empresa emitiu R$ 5,3 milhões em notas de serviços prestados, mas o sócio majoritário da empresa, Edson Joel Rodrigues, afirmou que a Keoma nunca trabalhou para o Inter.

Uma das notas da Keoma apresentadas por Affatato, ao custo de de R$ 635 mil, referia-se a supostos serviços no terreno do Centro de Treinamento de Guaíba, onde não havia obra até então. À época da emissão do documento fiscal, em 2015, o Inter sequer detinha autorização ambiental da Fepam para fazer intervenções no terreno. O ex-vice-presidente de Finanças se valeu de outras três empresas, todas elas assessoradas contabilmente pelo contador Adão Silmar de Fraga Feijó, também denunciado, para apresentar notas que totalizaram R$ 9,9 milhões para justificar seus saques.

 

Affatato ainda usou uma empresa da sua família, a Rodoseg Segurança e Engenharia Rodoviária, para instalar guard-rails no complexo Gigante da Beira-Rio ao custo de R$ 1 milhão. Ele apresentou as notas da Rodoseg para dar baixa em adiantamentos sacados no caixa do clube.

 

Conforme a lei que estabeleceu o Programa de Modernização da Gestão de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro (Profut), é vedado aos clubes contratar empresas das quais façam parte os seus gestores ou familiares.

 

A suposta vinculação Ferreira, ex-vice-presidente de Administração, com as irregularidades também seria relacionada às notas fiscais de obras que não foram localizadas no Beira-Rio, mas que geraram custos aos cofres do clube. Em cinco delas, Ferreira avalizou os pagamentos. O responsável por assinar a maioria das notas fiscais da Keoma e das outras empresas usadas para justificar adiantamentos teria sido o engenheiro civil Ricardo Bohrer Simões, também denunciado. As apurações indicaram que Simões pode ter chegado ao Beira-Rio por intermédio de Ferreira: o engenheiro foi responsável técnico de duas empresas do ex-dirigente colorado, a Pavitec do Brasil Pavimentadora Técnica e a Paviway Pavimentação. Também foi denunciado pelo MP o engenheiro Carlos Eduardo Marques, que teria atestado falsamente a realização de obras fictícias descritas em notas fiscais.

 

Além da Keoma, Simões abriu a empresa Pier Serviços Eireli que, entre 2015 e 2016, teria recebido R$ 1,5 milhão do Inter por serviços não detectados nem mesmo por auditorias contratadas pelo próprio clube. Simões também foi procurador da Empresa Gaúcha de Estradas (Egel), beneficiada com R$ 194,3 mil do clube, e esteve associado informalmente à Keoma.

 

A Egel tinha endereço em Balneário Gaivotas, em Santa Catarina, em um trecho de rua de chão batido. O GDI esteve no local e, no logradouro indicado no CPNJ, existia uma casa de uma cabeleireira que nunca tinha ouvido falar da Egel.

Nomes dos denunciados

Vitorio Piffero, ex-presidente
Pedro Affatato, ex-vice de Finanças
Emídio Marques Ferreira, ex-vice de Patrimônio
Carlos Pellegrini, ex-vice de futebol
Carlos Eduardo Marques, engenheiro do clube
Ricardo Bohrer Simões, empresário
Adão Silmar de Fraga Feijó, contador
Paola Affatato, empresária e irmã de Pedro
Arturo Affatato, empresário e irmão de Pedro
Rogério Braun, empresário de futebol
Paulo Cézar Magalhães, tio do ex-lateral do Inter de mesmo nome
Giuliano Bertolucci, empresário de futebol
Fernando Otto, empresário de futebol
Carlos Alberto de Oliveira Fedato, empresário de futebol.

(Fonte Gaúcha ZH).

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios