DestaquePolícia

PF cumpre 25 mandados de prisão por fraude tributária de mais de R$ 2 bilhões em SC

A investigação que culminou com a prisão de 25 pessoas culminou com a prisão de 25 pessoas em Santa Catarina, São Paulo, Brasília e Paraná, na manhã desta terça (5), já havia iniciado em novembro de 2017.

Durante todo esse tempo, a Polícia Federal procurava desarticular um grupo criminoso formado por contadores, advogados, empresários e servidor público cuja especialidade era fraudar declarações de tributos federais. As fraudes ocorriam por meio de compensação com créditos falsos.A cabeça da organização, segundo a PF, atuava a partir de Santa Catarina. Ao menos oito pessoas foram presas no Estado, sendo sete na Capital e uma em Indaial, no Vale do Itajaí. A reportagem do ND teve acesso exclusivo aos nomes dos presos.

Segundo a PF, todas as prisões foram preventivas, o que significa que nenhuma das pessoas foi liberada após prestar depoimento. Apenas a Justiça poderá converter a prisão.

Os  valores  utilizados  indevidamente  para  compensar ou suspender  tributos
federais  superam  a  cifra  de R$ 2,3 bilhões, sendo que desse total, R$ 1
bilhão se refere a falsos créditos para uso futuro.

Aproximadamente 80% desses valores já passaram por auditoria da Receita Federal. O enriquecimento ilícito da quadrilha foi estimado em R$ 700 milhões.

Servidor da RF é um dos presos

Entre os presos está o analista tributário lotado na Delegacia da Receita Federal em Florianópolis, Egídio Bonin. Ele seria o único servidor público envolvido e seria o responsável por viabilizar a fraude bilionária.

O grupo que atuava a partir de Florianópolis aliciava contribuintes na compra de créditos inexistentes e passava a falar em nome do contribuinte perante a Receita Federal.

O contribuinte deixava de pagar a Receita Federal e pagava mensalmente a organização criminosa aos valores correspondentes, com deságio de 40% a 30%. A empresa seria detentora de um crédito que não existe.

O ND identificou que a empresa responsável pelo esquema em Florianópolis é a Platinum Consultoria Empresarial Eireli, cujo sócio e um dos presos na operação é Fagner dos Santos Araújo.

Segundo a PF, o objetivo do grupo era embolsar a maior parte do valor dos tributos devidos pelo empresariado, enquanto lesava a administração tributária.

Já foram identificadas aproximadamente 3,5 mil empresas que utilizaram o artifício para compensar dívidas tributárias em aproximadamente 600 municípios brasileiros. A polícia solicitou o bloqueio de contas bancárias de pelo menos 49 pessoas físicas e jurídicas investigadas.

A maioria das pessoas presas na operação é sócia de alguma empresa envolvida com contabilidade ou assessoria administrativa. Advogados também estão entre os detidos.

Uma grande quantidade de bens também foram apreendidos na casa de um dos investigados. A apreensão ocorreu em Criciúma, no Sul de Santa Catarina. ND Mais.

Confira quem são os presos em Santa Catarina:

  • Egidio Bonin: servidor da Delegacia da Receita Federal de Florianópolis.
  • Fagner dos Santos Araújo: sócio da empresa Platinum Consultoria Empresarial Eireli.
  • Antonio Arão Melo Rodrigues: contador em São José.
  • Delmar Muller: sócio de empresa de consultoria e gestão empresarial com sede em Indaial e Brasília.
  • Josiane Cardoso de Souza: sócia de um comércio no Sul do Estado.
  • Juliana Hess: advogada em Santa Catarina
  • Julio Cesar Hess: sócio de duas empresas de assessoria empresarial em Santa Catarina.
  • Leonardo Walter – sócio de três empresas em Santa Catarina.

(Fonte ND+).

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios