DestaqueInternacional

2021 está ruim? Saiba qual foi o pior ano para estar vivo, segundo historiador

O início da pandemia de covid-19 marcou 2020 como um ano obscuro para a humanidade. A angústia causada pelas mazelas do vírus e aspectos geopolíticos e ambientais conturbados contribuiu para que no fim do ano muitos olhassem para trás e pensassem: “Pode ter um ano pior do que esse?”.

Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp!

Para Michael McCormick, professor de história da Universidade de Harvard, a resposta é sim. Segundo ele, o ano de 536 foi não apenas um ano catastrófico como também “o início de um dos piores períodos para se estar vivo”.

O que desencadeou o período literalmente sombrio foi a erupção de um vulcão na Islândia, que alastrou cinzas que cobriram vários quilômetros da atmosfera, bloqueando a luz do Sol. Com isso, além de viver na escuridão, as pessoas tiveram de se adaptar a mudanças climáticas severas, que deram início à década mais fria dos últimos 2,3 mil anos.

A erupção na Islândia, país europeu, causou problemas não só em seu continente, tal como o Oriente Médio e a China sofreram com a densa neblina. Os padrões climáticos imprevisíveis causaram, por exemplo, registros de neve em pleno verão chinês.

Além de respirar um ar sufocante, as pessoas da época se viam sob o céu escuro, que, sem Sol, não provia a vitamina D para os seus corpos, facilitando o desenvolvimento de doenças como o raquitismo.

A magreza também foi inevitável por conta da fome. Safras de cereais foram perdidas em diversas regiões, fomentando a miséria e o pesadelo diário que era viver nas regiões afetadas pela erupção no século 6.

A cada mês de 2020, as notícias sobre o mundo pareciam ficar piores. No período após a erupção do vulcão Eyjafjallajökull, o ciclo vicioso não foi tão diferente, com uma segunda erupção abaixando as temperaturas novamente. Logo, em 541, os dias escuros, o frio e a fome ganharam uma nova companheira para atormentar os cidadãos da época: a pandemia Justiniana.

Embora o surto da peste bubônica no século 6 possa ser menos lembrado do que a recorrência da doença no século 14, a pandemia do século 6 ainda foi responsável por destruir pelo menos um terço da população do Império Romano oriental.

É provável que a escassez de alimentos tenha enfraquecido as populações e as tornado mais suscetíveis ao patógeno. “A fome quase certamente levou a migrações em massa de pessoas também”, disse o professor McCormick para o site UPI. Fato esse que teria contribuído para a proliferação da doença.

McCormick não nega que a pandemia da covid-19 “é terrível”. No entanto, ele chama atenção para a diferença taxa de mortalidade da peste do século 6, que variava entre 40% a 60% dos infectados. Nos países que têm dados da pandemia reunidos pela Universidade John Hopkins, por exemplo, a pandemia de covid-19 é fatal para 2,1% dos infectados.

“[O ano] 536 foi apenas o começo de um período muito difícil”, disse o professor, que acredita que a chegada da peste às costas da Europa, em 541, provocou uma paralisia econômica no continente até 640.

Entrevistado pelo History, o professor McCormick afirmou que nem mesmo as Guerras Mundiais do século passado, somadas as pandemias que assolaram a humanidade no último século possam ser comparadas ao terrível período desencadeado pela erupção do vulcão em 536.

Para ele, as pessoas não estavam histéricas por imaginarem o fim do mundo em meio a tantos desastres naturais e sociais na sequência. Do UOL 

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios